A obesidade é um dos temas em destaque do SIDOM 2018 e, também, um dos principais problemas de saúde no mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a projeção é que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso, e mais de 700 milhões, obesos.

No Brasil, isso não é diferente. De acordo com o Ministério da Saúde, uma em cada cinco pessoas no país está acima do peso e a prevalência da doença passou de 11.8%, em 2006, para 18.9% em 2016, data que foi realizado o último estudo. Esses números fazem parte de uma pesquisa realizada pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), onde foram feitas entrevistas com mais de 50 mil pessoas maiores de 18 anos, em todas as capitais brasileiras.

O crescimento da obesidade pode ter acarretado, também, o aumento da prevalência da hipertensão e do diabetes. O diagnóstico médico de diabetes, por exemplo, cresceu cerca de 60% no período que foi realizada a pesquisa.

O estudo mostra que o índice de pessoas acima do peso cresce com o avanço da idade. Porém, mesmo entre os brasileiros mais jovens (25 a 44 anos), o número é alto: 17%.

A pesquisa também revela a mudança nos hábitos alimentares da população. As pessoas estão consumindo menos ingredientes considerados básicos e tradicionais. O consumo regular de feijão, por exemplo, diminuiu 67,5%, em 2012, para 61,3%, em 2016.

Apenas um entre três adultos consome frutas e hortaliças em cinco dias da semana. Esse quadro mostra a transição alimentar no País, que agora está entre os países que apresentam altas prevalências de obesidade.

Fonte: Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica e Governo do Brasil