O número de idosos no mundo tem crescido progressivamente ao longo dos anos. Atualmente,  o Brasil tem cerca de 4 milhões de pessoas acima de 60 anos e a estimativa é que esse número chegue a 11 milhões em 2045. Diversos eventos médicos e congressos estão sempre debatendo os principais problemas de saúde que afetam essas pessoas e os melhores tratamentos para elas, pois o tema precisa ser aprofundado.

Sabe-se que o envelhecimento causa diversas alterações no organismo, principalmente metabólicas. Problemas como diabetes, hipertensão arterial e obesidade são algumas das comorbidades que surgem com a idade. Os níveis de colesterol também tendem a aumentar em pacientes idosos.

Para a Dra. Cynthia Valério, é importantíssimo discutir com mais afinco o tratamento de dislipidemia nesta população. Segundo a endocrinologista, o perfil lipídico tende a piorar nesta etapa da vida e é um dos principais fatores de risco de doença cardiovascular.

A médica alerta para algumas questões relevantes sobre o tema. Dentre elas, a ausência de recomendações específicas sobre o assunto nos principais Guidelines, como a indicação do uso de estatinas em indivíduos acima de 75 anos. “Há uma falha nesta questão, especialmente quando se trata de prevenção primária (pacientes que nunca tiveram infarto ou AVC). Como é uma população muito heterogênea e, geralmente excluída dos grandes estudos clínicos, o tratamento deve ser individualizado.”

Outro ponto destacado pela Dra. Cynthia é que a terapia das dislipidemias no idoso tende a ser subotimizada, o que prejudica um melhor acompanhamento desses pacientes. A presença de múltiplas comorbidades leva, muitas vezes, o médico a deixar o tratamento da dislipidemia em segundo plano. Além disso, quando se trata de pacientes de meia idade, há maior receio com relação ao risco dos efeitos colaterais pelo tratamento e aparecimento de interações medicamentosas.

Essas e outras questões estarão em debate durante o Simpósio de Diabetes, Obesidade e Metabolismo (SIDOM), que acontece nos dias 26 e 27 de outubro, no Windsor Barra Hotel. O evento é coordenado pelos doutores Alexander Benchimol e Walmir Coutinho.